Aspectos epidemiológicos da dengue no estado do Maranhão: uma revisão sistemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.52832/jesh.v2i2.91

Palavras-chave:

Dengue, Aspectos epidemiológicos, Dengue virus, Estado do Maranhão

Resumo

A Dengue é uma doença tropical infecciosa causada pelo vírus da Dengue (Dengue virus - DENV) e transmitida primariamente por mosquitos Aedes aegypti, sendo endêmica no Brasil, em especial no estado do Maranhão. Apesar de endêmica, pouco se sabe sobre a epidemiologia da doença nesse estado. O presente estudo trata-se de uma revisão sistemática registrada no Open Science Framework (OSF) e no International Prospective Register of Systematic Reviews (PROSPERO), seguindo as recomendações do Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses (PRISMA), sobre os aspectos epidemiológicos da Dengue no estado do Maranhão. De 124 estudos encontrados, 11 foram incluídos por cumprirem os critérios de inclusão do trabalho. Dos 11 estudos incluídos, verificou-se maioria dos casos no gênero feminino (entre 39,2 e 69,0%), na faixa etária dos 15 aos 49 anos (72,20%), com escolaridade 2º grau (49,6%) e em indivíduos autodeclarados pardos (entre 39,0 e 65,7%). O critério clínico laboratorial foi responsável pela identificação de casos positivos de Dengue, com variação de 23,0 a 63,2% nas confirmações. Quanto à classificação da forma clínica, entre 65,3 e 91,6% dos casos, referiram-se à Dengue, sendo os sorotipos mais prevalentes o DENV-2 (5,2%) e o DENV-1 (0,1%). A pesquisa possibilitou a descrição dos aspectos epidemiológicos de pessoas acometidas por Dengue no estado do Maranhão. Espera-se que as informações deste estudo colaborem com os gestores, equipes técnicas locais e profissionais da saúde, sensibilizando-os com relação à importância da Dengue em todo o estado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Alane do Carmo Silva, Universidade Estadual do Maranhão

Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas, Centro de Estudos Superiores de Lago da Pedra, Universidade Estadual do Maranhão, Lago da Pedra, Maranhão, Brasil.

Sebastião Márcio da Silva Vieira, Universidade Estadual do Maranhão

Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas, Centro de Estudos Superiores de Lago da Pedra, Universidade Estadual do Maranhão, Lago da Pedra, Maranhão, Brasil.

Aline do Carmo Silva, Universidade Estadual do Maranhão

Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas, Centro de Estudos Superiores de Lago da Pedra, Universidade Estadual do Maranhão, Lago da Pedra, Maranhão, Brasil.

Pedro Alves Soares Vaz de Castro, Universidade Federal de Minas Gerais

Laboratório Interdisciplinar de Pesquisa Médica (LIM), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Giovanna Rotondo de Araújo, Universidade Federal de Minas Gerais

Programa de Pós-Graduação em Parasitologia, Departamento de Parasitologia, Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais.

Juliana Maria Trindade Bezerra, Universidade Estadual do Maranhão (UEMA)

Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas, Centro de Estudos Superiores de Lago da Pedra, Universidade Estadual do Maranhão, Lago da Pedra, Maranhão, Brasil; Programa de Pós-Graduação em Parasitologia, Departamento de Parasitologia, Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil; Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal, Centro de Ciências Agrárias, Universidade Estadual do Maranhão, São Luís, Maranhão, Brasil.

Referências

Assunção, M. L., & Aguiar, A. M. M. (2014). Perfil clínico-epidemiológico da dengue no município de Juscimeira – MT. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, 4(4), 249-253.

Bezerra, J. M. T., Santana, I, N, S., Miranda, J. P., Tadei, W. P., & Pinheiro, V. C. S (2017). Breeding sites of Aedes aegypti (linnaeus) (Diptera, Culicidae): study about the containers in dry and rainy seasons in dengue-endemic city. Revista de Pesquisa em Saúde, 18(2), 102-107.

Biassoti, A. V., & Ortiz, M. A. L. (2017). Diagnóstico laboratorial da dengue. Revista UNINGÁ Review, 29(1), 122-126.

Brasil. (2022). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim epidemiológico, 53(1), 1-15.

Brasil. (2009). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Diretrizes nacionais para prevenção e controle de epidemias de dengue. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2016). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Dengue: diagnóstico e manejo clínico: adulto e criança. 5. ed. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2010). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológica. Brasília: Ministério da Saúde.

Gubler, D. J., Kuno, G., Sather, G. E., Velez, M., & Oliver A. (1984). Mosquito cell cultures and specific monoclonal antibodies in surveillance for dengue viruses. Amecican Journal of Tropical Medicine and Hygiene, 33(1), 158-165.

Gurukumar, K. R., Priyadarshini, D., Patil, J. A., Bhagat, A., Singh, A., Shah, P. S & Cecilia, D. (2009). Development of real time PCR for detection and quantitation of Dengue Viruses. Virology Journal, 6(10), 1-8.

Halstead, S. B. (1988). Pathogenesis of dengue: challenges to molecular biology. Science, 239(4839), 476-481.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2020). Cidades e Estados: Maranhão. IBGE, 2020.

Luchini, C., Stubbs, B., Solmi, M., & Veronese, N. (2017). Assessing the quality of studies in meta-analyses: Advantages and limitations of the Newcastle Ottawa Scale. World Journal of Meta-Analysis, 5(4), 80-123.

Matthews, B. J. (2019). Aedes aegypti. Trends Genetics, 35(1) 470-471.

Methley, A. M., Campbell, S., Chew-Graham, C., McNally, R., & Cheraghi-Sohi, S. (2014). PICO, PICOS and SPIDER: a comparison study of specificity and sensitivity in three search tools for qualitative systematic reviews. Health Services Research, 14(579), 1-10.

Nunes, P. C. G. N., Daumas, R. P., Sánchez-Aricila, J. C., Nogueira, R. M. R., Horta, M. A. P. & Santos, F. B. dos. (2019). 30 years of fatal dengue cases in Brazil: a review. BMC Public Health, 19(319), 1-11.

Oliveira, R. M. A. B., Araújo, F. M. C., & Cavalcanti, L. P. G. (2018). Aspectos entomológicos e epidemiológicos das epidemias de dengue em Fortaleza, Ceará, 2001-2012. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 27(1), 1-10.

Osanai, C. H., Rosa, A. P. de A. T. da., Tang, A. T., Amaral, R. S. do., Passos, A. D. C., & Tauil, P. L. (1983). Surto de dengue em Boa Vista, Roraima (nota prévia). Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, 25(1), 53-54.

Page, M., McKenzie, J. E., Bossuyt, P. M., Boutron, I., Hoffmann, T. C., Mulrow, C. D., Shamseer, L., Tetzlaff, J. M., Akl, E. A., Brennan, S. E., Chou, R., Glanville, J., Grimshaw, J. M., Hróbjartsson, A., Lalu, M. M., Li, T., Loder, E. W., Mayo-Wilson, E., McDonald, S., McGuinness, L. A., Stewart, L. A., Thomas, J., Tricco, A. C. Welch, V. A., Whiting, P., & Moher, D. (2021). The PRISMA 2020 statement: an updated guideline for reporting systematic reviews. BMJ Journals Premier Collection, 372(71), 1-9.

Pappas, Cleo & Williams, Irene (2011). Grey Literature: Its Emerging Importance. Journal of Hospital Libraryanship, 11(3), 228-234.

Paho/Who – Pan American Health Organization/World Health Organization. (2020) Dengue. https://www.paho.org/en/topics/dengue.

Pinheiro, V. C. S., Neres, I. A. S., Bezerra, J. M. T., Silva, J. S. da., Miranda, J. P., Brito, L. M. de O., & Tadi, W. P. (2012). Housewives' knowledge about dengue in an endemic area of the State of Maranhão, Brazil. Revista de Pesquisa em Saúde, 13(2), 42-47.

Prospero – International Prospective Register of Systematic Reviews. (2020). Epidemiological aspects of dengue in the state of Maranhão: a systematic review. https://www.crd.york.ac.uk/prospero/display_record.php?RecordID=222403.

Rebêlo, J. M. M., Costa, J. M. L., Silva, F. S., Pereira, Y. N. O., & Silva, J. M. da. (1999). Distribuição de Aedes aegypt e do dengue no Estado do Maranhão, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 15(3), 477-486.

Roque, A. C. M., Santos, P. F. B. B., & Medeiros, E. R. (2015). Perfil epidemiológico da dengue no município de Natal e região metropolitana no período de 2007 a 2012. Revista Ciência Plural, 1(3), 51-61.

Salles, T. S., Sá-Guimarães, T. da E., Alvarenga, E. S. L. de., Ribeiro, V. G., Meneses, M. D. F. de., Salles, P. F. de C., Santos, C. R. dos., Melo, A. C. do A., Soares, M. R., Ferreira, D. F. & Moreira, M. F. (2018). History, epidemiology and diagnostics of dengue in the American and Brazilian contexts: a review. Parasites & Vectors, 11, 1-12.

Santos, C. H., Sousa, F. Y. de., Lima, L. R. de., & Stival, M. M. (2009). Perfil epidemiológico do dengue em Anápolis-GO, 2001 – 2007. Revista de Patologia Tropical, 38(4), 249-259.

Santos, L. K. F., Pessôa, V. M. L., Santos, T. S. dos., Bragagnollo, G. R., Machado, G. P., Munõz, S. I. S., Bragagnollo, S. R., Guimarães, M. das N., & Carvalho, L. W. T. de. (2019). Perfil epidemiológico da dengue em um estado do nordeste brasileiro, 2011 a 2015. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 11(10), 1-10.

Silva, F. G. S., Silva, S. J. S., Rocco, I. M., Silveira, V. R., Suzuki, A., Katz, G., & Bisordi, I. (2011). Avaliação de kits comerciais para detecção de antígenos NS1-dengue – São Paulo. Boletim Epidemiológico Paulista, 8(91), 14-26.

Silva, G. M., & Andrade, A. M. S. S. (2014). Avaliação do perfil epidemiológico da dengue no município de Paripiranga, Bahia, Brasil. Scientia Plena, 10(9), 1-11.

Soares-da-Silva, J., Ibiapina, S. S., Bezerra, J. M.T., Tadei, W. P. & Pinheiro, V. C. S. (2012). Variation in Aedes aegypti (Linnaeus) (Diptera, Culicidae) infestation in artificial containers in Caxias, State of Maranhão, Brazil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 42(2), 174-179.

Tavares, A. S. (2014). Prevalência e incidência de infecção pelo vírus da dengue em uma comunidade urbana: um estudo de coorte. (Dissertação de mestrado, Fundação Oswaldo Cruz). https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/10303

Uno, N., & Ross, T. M. (2018). Dengue virus and the host innate immune response. Emerging Microbes & Infections, 7(167), 1-11.

Vasconcelos, P. F. C., Lima, J. W. O., Rosa, A. P. A. T. da., Timbó, M. J., Rosa, E. S. T. da., Lima, H. R., Rodrigues, S. G., & Rosa, J. F. S. T. da. (1998). Epidemia de dengue em Fortaleza, Ceará: inquérito soro-epidemiológico aleatório. Revista de Saúde Pública, 32(5), 447-54.

Vita, W. P., Nicolai, C. C. de A., Azevedo, M. B. de., Souza, M. F. de., & Baran, M. (2009). Dengue: alertas clínicos e laboratoriais da evolução grave da doença. Revista Brasileira de Clínica Médica, 7(1), 11-14.

Wells, G. A., Shea, B., O’Connell, D., Peterrson, J., Welch, V., Losos, M., & Tugwell, P. (2009). The Newcastle-Ottawa Scale (NOS) for assessing the quality of nonrandomized studies in meta-analyses. http://www.ohri.ca/programs/clinical_epidemiology/oxford.asp.

WHO – World Health Organization. (2020). Dengue and severe dengue. https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/dengue-and-severe-dengue.

WHO – World Health Organization. (2021). Dengue and severe dengue. https://www.who.int/health-topics/dengue-and-severe-dengue#tab=tab_1.

Downloads

Publicado

22-04-2022

Como Citar

do Carmo Silva, A. ., da Silva Vieira, S. M., do Carmo Silva, A. ., Alves Soares Vaz de Castro, P. ., Rotondo de Araújo, G. ., & Trindade Bezerra, J. M. (2022). Aspectos epidemiológicos da dengue no estado do Maranhão: uma revisão sistemática. Journal of Education Science and Health, 2(2), 1–18. https://doi.org/10.52832/jesh.v2i2.91

Edição

Seção

CIÊNCIAS DA SAÚDE

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)