Aspectos sobre a patogênese, a clínica, o diagnóstico e o tratamento da hanseníase: uma revisão narrativa

Aspects on the pathogenesis, clinic, diagnosis and treatment of leprosy: a narrative review

Autores

DOI:

https://doi.org/10.52832/jesh.v2i2.98

Palavras-chave:

Hanseníase. Saúde Pública. Prevenção. Epidemiologia. Tratamento.

Resumo

A hanseníase é uma doença infectocontagiosa causada pela Mycobacterium leprae, com alta morbidade e de evolução lenta. Ela é uma doença que gera grande estigma e impacto na vida de indivíduos acometidos, podendo se manifestar através de sinais e sintomas. Sua característica principal é o comprometimento dos nervos periféricos. O objetivo do presente estudo foi realizar uma revisão narrativa, de modo a reunir informações sobre a patogênese, diagnóstico e tratamento da hanseníase. Os principais resultados do estudo mostraram a importância da prevenção e controle da doença, apontando evidências que mostram novas e importantes estratégias que podem ser incorporadas à prática clínica visando a redução dos casos em áreas endêmicas. Espera-se que os achados do presente estudo sejam elementos norteadores para futuras pesquisas com o intuito de investigar a realidade dos brasileiros, em relação aos dados sobre a patogenicidade da doença.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Sebastião Marcio da Silva Vieira, Universidade Estadual do Maranhão

Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas, Centro de Estudos Superiores de Lago da Pedra, Universidade Estadual do Maranhão, Lago da Pedra, Maranhão, Brasil.

Luis Felipe Silva de Lima, Universidade Estadual do Maranhão

Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas, Centro de Estudos Superiores de Lago da Pedra, Universidade Estadual do Maranhão, Lago da Pedra, Maranhão, Brasil.

Pedro Alves Soares Vaz de Castro, Universidade Federal de Minas Gerais

Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Juliana Maria Trindade Bezerra, Universidade Estadual do Maranhão

Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas, Centro de Estudos Superiores de Lago da Pedra, Universidade Estadual do Maranhão, Lago da Pedra, Maranhão, Brasil.

Programa de Pós-Graduação em Parasitologia, Departamento de Parasitologia, Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. 

Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal, Centro de Ciências Agrárias, Universidade Estadual do Maranhão, São Luís, Maranhão, Brasil.

Referências

Alemu, B. W., & Naafs B. J. (2019). Diagnosis, treatment, and follow-up. Journal of the European Academy of Dermatology and Venereology. 33(7), 1205–1213.

Aquino, D. M., Caldas, A., da Silva, A. A., & Costa, J. M. (2003). Perfil dos pacientes com hanseníase em área hiperendêmica da Amazinia do Maranhão, Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 36(1), 57–64.

Chavarro-Portillo, B., Soto, C. Y., & Guerrero, M. I. (2019). Mycobacterium leprae´s evolution and environmental adaptation. Acta Tropica, 197, 105041.

Chaptini, C., & Marshman, G. (2015). Leprosy: a review on elimination, reducing the disease burden, and future research. Leprosy Review, 86(4), 307–315.

Claro, L. B. L. (1995). Hanseníase: representações sobre a doença. Cadernos de Saúde Pública, 11(4), 631-638.

Conti, J. O., Almeida, S. N. D., & Almeida, J. A. (2003). Prevenção de incapacidades em hanseníase: relato de caso. Revista SALUSVITA, 32(2), 163-174.

da Silva Rocha, A., Cunha, M. d., Diniz, L. M., Salgado, C., Aires, M. A., Nery, J. A., Gallo, E. N., Miranda, A., Magnanini, M. M., Matsuoka, M., Sarno, E. N., Suffys, P. N., & de Oliveira, M. L. (2012). Drug and multidrug resistance among Mycobacterium leprae isolates from Brazilian relapsed leprosy patients. Journal of Clinical Microbiology, 50(6), 1912–1917.

Duthie, M. S., Gillis, T. P., & Reed, S. G. (2011). Advances and hurdles on the way toward a leprosy vaccine. Human vaccines, 7(11), 1172–1183.

Fava, V. M., Dallmann-Sauer, M. & Schurr, E. Genetics of leprosy: today and beyond. (2020). Human Genetics. 139, 835–846.

Fine P. E. (2007). Leprosy: what is being "eliminated"?. Bulletin of the World Health Organization, 85(1), 2.

Global Burden of Disease – GBD. (2019). Washington: GBD; 2019. Compare-se- Leprosy. http://www.Healthdata.org/data-visualization/gbd-compare.

Godinho, V. P. B., Teixeira G. H. O., Andrade, P. H. C, Moreira, T. M., Caetano, J. S., Machado, & G. F. V, Kashiwabara, T. G. B. (2015). Hanseníase: revisão de literatura. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research, Paraná, 9(1), 49-53.

Hamester, C. (2016). A Hanseníase na experiência de vida de pessoas atendidas em ambulatório de referência no Distrito Federal (Dissertação de Mestrado em Saúde Coletiva) - Faculdade de Ciências da Saúde, Universidade de Brasília, Brasília.

Khadilkar, S. V., Patil, S. B., & Shetty, V. P. (2021). Neuropathies of leprosy. Journal of the Neurological Sciences. 420, 117288.

Lau, K. H. V. (2019). Neurological Complications of Leprosy. Seminars in Neurology. 39(4), 462–471.

Lopes, V. A. S.; Rangel, E. M. (2014). Hanseníase e vulnerabilidade social: uma análise do perfil socioeconômico de usuários em tratamento irregular. Saúde e Debate. 38(103), 817-829.

Matsuoka, M., Suzuki, Y., Garcia, I. E., Fafutis-Morris, M., Vargas-González, A., Carreño-Martinez, C., Fukushima, Y., & Nakajima, C. (2010). Possible mode of emergence for drug-resistant leprosy is revealed by an analysis of samples from Mexico. Japanese Journal of Infectious Diseases, 63(6), 412–416.

Maymone, M. B. C., Laughter, M., Venkatesh, S., Dacso, M. M., Rao, P. N., Stryjewska, B. M., Hugh, J., Dellavalle, R. P., & Dunnick, C. A. J. (2020a). Leprosy: Clinical aspects and diagnostic techniques. American Academy of Dermatology. 83(1), 1–14.

Maymone, M. B. C., Venkatesh, S., Laughter, M., Abdat, R., Hugh, J., Dacso, M. M., Rao, P. N., Stryjewska, B. M., Dunnick, C. A., & Dellavalle, R. P. (2020b). Leprosy: Treatment and management of complications. American Academy of Dermatology. 83(1), 17–30.

Ministério da Saúde – MS. (2002). Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia para o controle da Hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicações/guia_de_hanseniase.pdf

Ministério da Saúde – MS. (2005). Secretaria de vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Doenças Infecciosas e Parasitárias: guia de bolso. 6 ed. Brasília: Ministério da Saúde, p. 30.

Ministério da Saúde – MS. (2009). Departamento de Vigilância Epidemiológica. Programa Nacional de Controle da Hanseníase (PNCH). Brasília: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde – MS. (2017). Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia prático sobre hanseníase: Brasília: Ministério da Saúde. www.saude.gov.br/imagens/pdf/2017/novembro/22/Guia-prático-de-Hanseniase-WEB.pdf

Ministério da Saúde – MS. (2019). Estratégia Nacional para o enfrentamento da Hanseníase 2019-2022. Brasília: Ministério da Saúde: https://portalarquivos2.saude.gov.br/imagens/pdf/2019/marco/27/Estrategia-Nacional-CGHDE-Consulta-Publica-27mar.pdf.Acesso.

Nakata, N., Kai, M., & Makino, M. (2011). Mutation analysis of the Mycobacterium leprae folP1 gene and dapsone resistance. Antimicrobial Agents and Chemotherapy, 55(2), 762–766.

Oliveira, V. M., Assis, C. R. D., & Silva, K. C. C. (2013). Levantamento epidemiológico da hanseníase no nordeste brasileiro durante o período de 2001-2010. Scire Salutis, 3(1), 6-27.

Opromolla, D. V. A. (2000). Noções de Hansenologia. (1. ed.). Bauru: Centro de Estudos Dr. Reynaldo Quagliato, p. 126.

Organização das Nações Unidas Brasil. (2018). Brasil registra 11,6% dos casos de hanseníase no mundo. https//www.naçõesunidas.org/brasil-registra-116-dos-casos-de-hanseniase-no-mundo/

Orsini, M. D. F., Freitas, M. R. G., Antonioli, R. S., Mello, M. P., Reis, J. P. B., Reis, C. H. M., Silva, J. G., Carvalho, R. W., Nascimento, O. J. M., & Guimarães, R. R. (2008). Estudos clínicos, imunopatológicos e eletrofisiológicos dos nervos periféricos na hanseníase. Revista Neurociências. 16(3), 220-230.

Pinheiro, R. O., Schmitz, V., Silva, B. J. A., Dias, A. A., de Souza, B. J., de Mattos Barbosa, M. G., de Almeida Esquenazi, D., Pessolani, M. C. V., & Sarno, E. N. (2018). Innate Immune Responses in Leprosy. Frontiers in Immunology. 9, 518.

Palit, A. & Kar, H. K. (2020). Prevention of transmission of leprosy: The current scenario. Indian Journal of Dermatology, Venereology and Leprology. 86(2), 115–123.

Pinho J. R. R., Andrade Junior, H. F., & Schenberg, A. C. (1998). Os diferentes testes cutâneos existentes para acompanhamento de pacientes com hanseníase. Hansenologia Internationales, 23(1), 3.

Santos, V. S., de Souza, C. D. F., Martins-Filho, P. R. S., & Cuevas, L. E. (2020). Leprosy: why does it persist among us?. Expert Review of Anti-infective Therapy. 18(7), 613–615.

Scollard, D. M., Adams, L. B., Gillis, T. P., Krahenbuhl, J. L., Truman, R. W., & Williams, D. L. (2006). The continuing challenges of leprosy. Clinical Microbiology Reviews, 19(2), 338–381.

Smith, C. M., & Smith, W. C. S. (2000). Chemoprophylaxis is effective in the prevention of leprosy endemic countries: a systematic review and meta-analysis. Journal of Infection. 41, 137-142.

Silva, W. N. (2018). Aspectos clínico-epidemiológicos e análise especial da hanseníase (Dissertação de Mestrado em Saúde e Ambiente) – Universidade Federal do Maranhão, São Luís.

Talhari, S., & Neves, R. G. (1989). Hanseníase. (2. ed) Manaus: Instituto Superior de Estudo da Amazônia.

Universidade Estadual Paulista – UNESP. (2015). Tipos de Revisão de Literatura. São Paulo, Brasil. https://www.fca.unesp.br/Home/Biblioteca/tipos-de-evisao-de-literatura.pdf

Vêloso, D. S., Melo, C. B., Sá, T. L. B., Santos, J. P., Nascimento, E. F., Costa, F. A. C. (2018). Perfil clínico epidemiológico da Hanseníase: uma revisão integrativa. Revista Eletrônica Acervo Saúde. 10 (1), 1429–1437.

World Health Organization – WHO. (2020). Leprosy (Hansen´s disease). Genebra, Suíça. https://www.who.int/health-topics/leprosy#tab_1

Downloads

Publicado

25-05-2022

Como Citar

da Silva Vieira, S. M. ., Silva de Lima, L. F. ., Alves Soares Vaz de Castro, P. A. S. V. de C., & Trindade Bezerra, J. M. (2022). Aspectos sobre a patogênese, a clínica, o diagnóstico e o tratamento da hanseníase: uma revisão narrativa: Aspects on the pathogenesis, clinic, diagnosis and treatment of leprosy: a narrative review. Journal of Education Science and Health, 2(2), 1–11. https://doi.org/10.52832/jesh.v2i2.98

Edição

Seção

REVISÕES DA LITERATURA

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)